8 passos para um inverno mais aconchegante

IMG_5959

 

Eu sou uma pessoa completamente dependente de sol. Se por ventura não fizer calor, está tudo relativamente bem, mas não dou conta de dias que não amanhecem, de chuva, e de frio então nem se fala.

Vocês podem imaginar que tenho passado por semanas ligeiramente miseráveis, esperando o tempo melhorar. Checo a previsão todos os dias, ansiosamente. Vivo à espera de dias mais quentes, ou pelo menos, dias mais claros, com luz do sol e sem essa neblina deprimente que dá uma sensação de que o dia não é de verdade.

Mas aí, passou julho, chegou agosto, e nada de neblina, umidade e frio pararem de aparecer. E eu fui vendo, gradativamente, que aquele incômodo também ia deixando lugar vago, que eu poderia preencher com algumas fontes de satisfação.

Comecei a me agarrar aos pequenos pontos de luz e de calor que o dia oferecia. Nos piores dias de neblina, ainda tivemos uns minutos que fossem de Sol rasgando as nuvens, geralmente no horário do almoço. E tirando essas horas, eu comecei a criar alguns estratagemas para me sentir melhor:

– primeiro, eu olhava todos os dias a previsão do tempo. Após constatar que não ia dar Sol nem calor, eu olhava, no total do dia, a hora prevista para ter Sol, ou um pouco mais de abertura no céu. E planejava, informalmente, cuidar de nestes horários sair para ir na academia, passear com meu cachorro, comprar alguma coisa no mercado, enfim. Absorver ao menos a luz, já que calor não havia;

– fazia atividades físicas. Nos dias em que a gente menos quer, geralmente, é quando mais estamos precisando. Com o cachorro, sempre tenho motivo de descer e dar uma caminhada pela praça, mas também aproveitei para correr na esteira da academia (e não só fazer musculação), e nos dias em que não quis sair de casa, no colchonete mesmo, fiz alongamento e uns abdominais no chão;

– ligar o forno. Não importa o que fazer lá dentro: pode ser um bolo, um filé de frango, umas batatinhas. Eu liguei o forno quase todas as noites, para o calor se espalhar, e receber o reconfortante cheirinho de algo assando lá dentro;

 

IMG_5957

 

– ingerir cores solares. Eu sei que esse pode ser um papo de hippie, mas quanto mais sem cor o dia vai lá fora, mais colorido/quente eu faço meu prato. É sopa de abóbora, purê de cenoura, lentilhas vermelhas, pimentões vermelhos assados, tomates bem madurinhos grelhados no azeite e alecrim… Enfim, tudo o que vai nessa paleta, me apetece mais comer;

 

IMG_5958

 

– beber (muito) chá. Dentro da mesma lógica do forno ligado, onde tem uma água fervendo, tem mais calor sendo gerado. Para o frio, meus prediletos são os chás de maçã com canela (duas fatias de maçã com um pauzinho de canela e um dente de cravo), e gengibre com limão e mel, para o caso de estar me resfriando;

– ler livros, assistir filmes e séries ambientados no mesmo clima. Um negócio que definitivamente não me ajuda, é ficar relembrando aquelas férias em Natal, pensar no verão passado, seguir gente na internet que está em Mykonos, e por aí vai. Semana passada, devorei numa sentada só um livro ambientado em Londres, e no decorrer do romance, a autora mencionava a umidade, a neblina, e a história dos personagens se passando naquele cenário me confortava. Assisti a segunda temporada de Anne With an E quase toda, ambientada no frio canadense. Parece que me ajudou a repensar como a vida continua, sabe? A gente vive, faz nossas coisas, independentemente do tempo lá fora;

– arquitetura da disponibilidade. Levantar com a noite lá fora é duro, a falta de luz prejudica meu despertar. Então, comecei a ligar o abajur de minha cabeceira todos os dias ao soar do despertador (5h50). É uma luz bem suave, de lâmpada amarela, que clareia o ambiente de forma a me ajudar a entender que logo vou sair. Passei a usar duas meias, para ao pisar no chão quando levanto, não ter aquele baque (e uso chinelos e pantufas, óbvio). Nos piores dias, coloquei o roupão que em geral uso pra sair do banho, perto de mim no quarto. Liguei o aquecedor no banheiro, e uns 2min antes de entrar no chuveiro, deixei um pouco de água quente cair no chão, melhorando também a temperatura do box sob meus pés. Tenho uma manta no sofá, para permanecer na sala. Coloquei um tapete lá, também, além de um tapete no chão ao lado da cama;

– na falta de calor, ar puro e luz. Por fim, todos os dias em que houve um pouquinho de Sol que fosse, coloquei todos os cobertores e travesseiros expostos na janela. Para eliminar os ácaros, para dar uma renovada no ambiente e também nos tecidos, sabem? Por menos que dê vontade de abrir a casa, todos os dias escancarei as janelas, nem que fosse por poucas horas (quando choveu). Ao entardecer, fechava tudo e havia uma sensação mais aconchegante, de casa com o ar renovado!

Espero que o inverno passe rápido, mas se não passar, vou continuar usando mais ou menos essas ideias aqui. Por fim, essa playlist do Spotify é excelente para entrar no clima de inverno e aconchego. Escuto quase todos os dias de manhã, e nos dias mais invernais, escutei de noite também!

Um comentário em “8 passos para um inverno mais aconchegante

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s